sexta-feira, 4 de novembro de 2016

No Projeto Brasis uma Canção Peregrina


Em junho de 2016, a convite da pesquisadora  Mayra Fonseca, participei do Projeto Brasis, quando abordei junto a outros mestres da Cultura Brasileira o tema "Outras narrativas: a literatura como plataforma para compartilhar outros modelos de pensamento e aproximar mundos". Participar do Projeto Brasis foi e continua sendo uma das ações mais importantes da minha vida de cidadã, mulher indígena, educadora, escritora. Minha gratidão a Mayra Fonseca e a todos pelo presente maravilhoso em forma de vídeo e exposição sobre o meu poema "Canção peregrina". Que Ñanderu, Deus, Tupã e todos os Orixás acolham a todos(as) na tessitura de muitas histórias e diferentes etnias.
Saudaçoões indígenas,

Graça Graúna

Obs.: na sequência, o e-mail que recebi da amiga e pesquisadora Mayra Fonseca


****




Graúna, minha querida.

Como você está?

Por aqui, muito trabalho e bastante correria. Como parte do trajeto da residência Os Brasis em São Paulo, vamos abrir a exposição no Red Bull Station no dia 22 de novembro: sinta-se convidada e faço questão de que convide quem achar adequado.


Mas, agora, te escrevo para compartilhar em primeira mão uma decisão. A tua fala nos tocou e nos despertou muito no dia de abertura do festival. Todos ficamos emocionados e nos sentimos chamados pela canção peregrina. 

Por isso, decidimos, como você tinha me autorizado, usar o texto do poema como insumo para duas obras como agradecimento e homenagem a você e todos os nosso povos indígenas:
_ este vídeo, declamado por muitos de nós no festival, é o primeiro chamado para a exposição e para que a cidade de São Paulo perceba todos os povos que a habitam
_ na exposição, teremos uma parede que também fará referência ao poema: vamos instalar uma grande corda azul caindo do texto em vasos com contas e miçangas, vamos um convidar os visitantes a preencher o fio com as contas e miçangas, tecendo um colar. Na parede, estará escrito: "eu tenho um colar de muitas histórias e diferentes etnias". 

Tanto aqui no vídeo como na parede, faremos referência a você como a autora. 
Fique à vontade para divulgar essa peça como achar melhor e para usá-la em qualquer situação que achar adequado, ela é tua. 

Um grande beijo.

Saudações indígenas.

Mayra

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Educação e direitos humanos: livros, leitores e leituras


Credito da imagem: GGraúna

Educação e direitos humanos: livros, leitores e leituras
 
Graça Graúna
Escritora indígena,
Educadora universitária(UPE)

No Brasil, o calendário nacional traz uma data para comemorar o Dia do Livro: 29 de outubro. Mas até que ponto se comemora de fato a prática da leitura no país, sobretudo quando estudantes e educadores, por exemplo, se veem ameaçados pela PEC 241, isto é, uma proposta de emenda constitucional que quer porque quer congelar gastos com saúde, educação e assistência social por 20 anos?
Em tempos difíceis como este, em que os hospitais públicos estão sucateados; a assistência social é banalizada e a Educação uma das áreas mais prejudicadas; é importante sublinhar um trecho da Introdução do Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos – PNEDH: “nada mais urgente e necessário que educar em direitos humanos, de todas as formas possíveis, como tarefa indispensável para a defesa, o respeito, a promoção e a valorização desses direitos” (PNDH,2006, p. 5)
Da relação entre educação e direitos humanos, convém perguntar: o que é o livro e para que serve? Qual o papel do leitor? E sobre a importância do ato de ler, quem ainda se lembra? Certamente, essas questões exigem um aguçar a nossa memória, a começar pela maneira de ser e de viver que herdamos dos nossos ancestrais em rodas de conversa, no aconchego de contações de histórias em volta da fogueira. Não devemos esquecer as bibliotecas humanas (contadores de história, poetas, leitores, escritores, estudantes, homens, crianças mulheres, moradores de rua, religiosos e uma infinidade de pessoas de diferentes idades e profissões, entre tantos outros cidadãos do mundo) que contribuem para criar uma cultura universal dos diretos humanos.
Na época do Brasil colonial, uma dessas pessoas fez da palavra a sua missão. Diga-se de passagem: foi árdua a sua tarefa de mostrar a valorização da amizade entre povos indígenas e outros grupos étnico-raciais e a importância de exercitar o respeito, a tolerância. Nesta perspectiva cabe citar o pensamento do lusitano Padre Antônio Vieira: "O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive."  
Nos tempos modernos, outro religioso vestiu-se também de coragem para se comunicar com o público e lançou pelas ondas da Rádio Olinda (Pernambuco) o programa “Um olhar sobre a cidade”, em plena ditadura militar. Ele não escondia o seu gosto pela música e outras artes. Além da Bíblia, Dom Helder lia as ruas e tudo que o aproximasse do povo. Das músicas que costumava ouvir, destaca-se “Cidadão”, de Zé Geraldo. Na crônica intitulada “Entrada proibida” (p.75), Dom Helder fala da historia de um operário da construção civil que ajudou a construir uma escola onde filho de pobre não pode estudar. Um trecho da canção revela o seguinte:

Tá vendo aquele colégio moço?
Eu também trabalhei lá.
Lá eu quase me arrebento.
Fiz a massa, pus cimento
E ajudei a rebocar.
Minha filha inocente vem pra mim toda contente:
Pai, vou me matricular...
Mas me diz um cidadão, criança de pé no chão
Aqui não pode estudar.

Quem ainda quiser ouvir que ouça a sua homilia (pregação) em estilo familiar que busca explicar um tema ou texto evangélico, em forma de crônicas. Refiro-me ao livro “Meus queridos amigos”, de Dom Helder Camara; um livro organizado por Tereza Rozowykwiat (2016), cujo título é uma alusão a frase com que o autor iniciava as crônicas.
 E o que pensa Hermann Hesse (escritor alemão), sobre livro, leitor e leitura? Ele, o livro tem o poder de aproximar as pessoas. Nessa perspectiva, Hesse observa: "Ler um livro é para o bom leitor conhecer a pessoa e o modo de pensar de alguém que lhe é estranho. É procurar compreendê-lo e, sempre que possível, fazer dele um amigo". Outro grande pensador que nos impele a estreitar os laços com a educação libertadora é Paulo Freire. Poucos o veem também como poeta e é nesse patamar que eu tomo a liberdade de apresentar os versos que escrevi em 2 de setembro de 2007, durante o VI Colóquio Internacional Paulo Freire, no Centro de Convenções da UFPE. Em homenagem ao livro Pedagogia da indignação e ao seu autor, apresento minha “Poética da autonomia”:

I
Minha voz tem outra semântica,
outra música. Neste ritmo,
falo da resistência
da indignação
da justa ira dos traídos
e dos enganados

II
Apesar de tudo,
jamais desistir de apostar
na esperança
na palavra do outro
na seriedade
na amorosidade
na luta em que se aprende
o valor e a importância da raiva.
Jamais desistir de apostar demasiado
na liberdade

III
Apesar de tudo,
cabe o direito de sonhar
de estar no mundo
a favor da esperança
que nos anima

(Graça Graúna)


  O livro não é apenas um objeto composto por diversas páginas. O livro é bem mais que um conjunto de textos, imagens e outros itens que podem ser impressos ou compartilhados no formato e-book. Como se pode ver, a noção de livro não restringe o seu uso para entretenimento ou para uso educativo. Muito mais que isso, o livro pode ser também uma ou mais pessoas. Pelo menos é que sugere a ideia de “Biblioteca Humana”, ou seja, um projeto que começou na Dinamarca e que oferece um catálogo em que as pessoas selecionam o tópico que querem ouvir. Em outras palavras, um dos objetivos da Biblioteca Humana “é oferecer pessoas no lugar de livros. Os leitores curiosos podem fazer perguntas e desafiar as suas percepções sobre os diferentes grupos da comunidade”.
Entretanto, apesar do silenciamento contra os que defendem a estreita relação entre direitos humanos e educação, não está fora da validade realizar e fortalecer campanhas para mostrar como os livros podem beneficiar a cultura dos indivíduos, pelo humano direito ao  sonho que  se sonha junto e de torna-lo realidade por meio de uma educação libertadora.



Referências


BIBLIOECA HUMANA. Disponível em: http://nossacausa.com). Acesso em 31.out.2016.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp, 2000.

GRAÚNA, Graça. Poética da autonomia. Poema. Disponível em: http://ggrauna.blogspot.com.br/2007/10/potica-da-autonomia.html. Acesso em 31.out.2016.

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura; Ministério da Educação; Ministério da Justiça; Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Brasília, DF, 2006.

ROZOWYKWIAT, Tereza (Org.). Meus queridos amigos: as crônicas de Dom Helder Camara. Recife: Cepe Editora, 2016.

Citações. Pe. Antonio Vieira. Disponível em: https://pensador.uol.com.br. Acesso em 31.out.2016.



segunda-feira, 20 de junho de 2016

Escritos indígenas: uma antologia


Foto da capa: tela de Uziel Guaynê

O mercado editorial brasileiro traz ao público mais uma obra de autoria indígena. Trata-se da antologia Escritos indígenas, publicada no formato e-book, pela Editora Cintra, São Paulo, em 2013. .Da antologia participam dez escritores: Aldair Marauáh,  Giselda Jerá, Graça Graúna, Guayné Maraguá, Jaime Diakara,  Lia Minápoty, Nilson Karaí, Olívio Jekupê, Roní Wasiry Guará, Tiago Hakiy e Yaguarê Yamã. A respeito dos autores, Leda Cintra comenta que "alguns são premiados, outros mais recentes, mas todos de inegável qualidade literária, por isso todos reunidos nesta antologia que esperamos que encante os leitores das cidades no conhecimento dessa parte do universo até aqui tão pouco difundida, nos relatos, nos saberes ancestrais tão atuais, no ser universal”, Ela enfatiza que nessa antologia "estão  alguns dos mais representativos escritores indígenas contemporâneos do Brasil".
Para saber mais, acesse:
www.editoracintra.com

Telefone:  (11) 3731 7575, 

segunda-feira, 6 de junho de 2016



52º  CONCURSO  INTERNACIONAL  
DE  POESIA  Y  NARRATIVA
“ABRAZANDO  PALABRAS  2016”


El Instituto Cultural Latinoamericano desde su nacimiento en el año 2000 se propuso brindar un espacio de oportunidades, es por eso que invita a autores mayores de 16 años, a participar del 52º Concurso Internacional de Poesía y Narrativa “ABRAZANDO  PALABRAS 2016”. Las obras deberán ser inéditas, no premiadas con  anterioridad, tema libre, en idioma español.

PUEDEN PARTICIPAR CON:
POESIA:
de 3 a 7 poemas, con un máximo de 30 líneas cada uno.
NARRATIVA:
mínimo 90 líneas, máximo 210 líneas, ya sea en uno o varios trabajos.
PRESENTACIÓN DE LAS OBRAS: Las obras se presentarán en hojas tamaño A4, por triplicado, mecanografiadas o PC, escritas por una sola de sus caras, firmadas con seudónimo.

DATOS DEL AUTOR:
En un sobre pequeño, que irá junto con las obras, tendrá que incluir los siguientes datos: Nombre y Apellido, DNI, Dirección, E-mail y Teléfono.

ENVIOS: 52º  Concurso Internacional de Poesía y Narrativa  “ABRAZANDO  PALABRAS” Lebensohn 239, (C.P. B 6000 BHE), Junín, Pcia. de BUENOS AIRES, ARGENTINA.
Las obras que resulten finalistas con “Mención de Honor”, quedarán seleccionadas para participar del Intercambio cultural con Cuba, Brasil, Colombia, España (con precios muy accesibles), que se realiza cada año, presentándose en distinguidos lugares.

Y tendrán la oportunidad de formar parte de la Antología cooperativa “ABRAZANDO  PALABRAS”, y de esta forma integrarán la final por los PRIMEROS  PREMIOS  que son:
1º PREMIO Edición de LIBRO individual de 64 páginas, 100 ejemplares, Diploma y Trofeo, en poesía y  narrativa. Incluye presentación en nuestros eventos, intercambios culturales y publicidad en nuestro stand.
2º PREMIO: Trofeo y Diploma.              
3º, 4º y 5º PREMIO: Medalla y Diploma.

Se entregarán las Menciones Especiales que el jurado estime conveniente, recibirán Medalla y Diploma, el resto de los integrantes de la Antología recibirán Diploma y Medalla de “MENCIÓN  DE  HONOR”.

CEREMONIA DE PREMIACIÓN Y ENTREGA DE ANTOLOGÍAS:  Se realizará el día 26 de NOVIEMBRE de 2016, (salvo que surgieran imprevistos de fuerza mayor), en el Salón Sociedad Comercio e Industria de Junín (25 de Mayo 65) de nuestra ciudad, la ceremonia contará con diferentes exposiciones, etc. Luego, podrán compartir una cena, más detalles le serán informados cuando reciban la invitación especial para asistir a la Ceremonia.  Los autores que no puedan asistir a la ceremonia, podrán solicitar el envío por correo en forma Contra rembolso.
RECEPCIÓN DE OBRAS: Las obras se pueden enviar hasta el 30 DE JUNIO de 2016 (inclusive). Se toma en cuenta la fecha del matasellos del correo. 
JURADO: Estará integrado por personalidades del quehacer literario y su fallo será inapelable. El concurso no será declarado desierto. Los participantes toman conocimiento y aceptación de las bases del mismo. Cualquier cuestión no prevista será resuelta por el jurado.


Instituto Cultural Latinoamericano 
Lebensohn 239 – C.P. B 6000 BHE- Junín-Buenos Aires-Argentina.
Tel. 
+54-0236-4423734- o bien al Tel. móvil: 236-4682109
E-mail: 
iclatinoamericano@yahoo.com.ar
Blog: 
institutoculturallatinoamericano.blogspot.com.ar
Facebook: Instituto Cultural Latinoamericano



A FNLIJ e o 13º Encontro de Escritores e Artistas Indígenas
Palestras, debates e encontros com escritores  sobre o universo da Literatura Infantil e Juvenil são aspectos chaves na programação dos Seminários da FNLJ.
O 18º Seminário FNLIJ Bartolomeu Campos de Queirós será realizado nos dias 13, 14 e 15 de junho. Entre os temas abordados, constam: a Literatura Infantil e Juvenil na Espanha, Avaliação e Encerramento do Concurso Escola de Leitores, debates sobre o Plano Municipal do Livro, Leitura e Biblioteca e muito mais. As inscrições estarão abertas a partir do dia 9 de maio. Nesse período, acontecerá a 13ª edição do Encontro de escritores e artistas indígenas.

                                                                PROGRAMAÇÃO
Dia 13 de junho de 2016
Livros e Leitura para Crianças e Jovens na Espanha

9h – Abertura
9h30 – Um Panorama da Literatura Infantil e Juvenil na Espanha
Teresa Corchete Sánchez – Especialista em LIJ / María Jesús Esther Gil Iglesias – Representante da OEPLI – Seção Espanhola do IBBY / Mediação: Isis Valéria Gomes – Presidente do Conselho Diretor da FNLIJ

10h30 – Políticas Públicas do Livro e da Leitura na Espanha
Mónica Fernández Muñoz– Subdiretora Geral de Promoção do Livro, da Leitura e das Letras Espanholas do Ministério de Educação, Cultura e Esporte / Sara Moreno Varcárcel – Presidenta do Conselho Geral do Livro Infantil e Juvenil / Participação de Volnei Canônica ­– Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca do Ministério da Cultura (DLLLB/MinC) / Mediação: FNLIJ

11h30 – Os Escritores de LIJ do País de D. Quixote
Gemma Lienas /  Maite Carranza / Ledicia Costas / Alfredo Gómez Cerdá / Participação de Ana Maria Machado / Mediação: FNLIJ

13h – Almoço
14h30 – Os Ilustradores de LIJ do País de D. Quixote
Xan López Domínguez / Javier Zabala │ Maite Gurrutxaga / Participação de Marina Colasanti/ Mediação: FNLIJ

15h30 – A Leitura de Imagens e a Formação do Leitor
Teresa Colomer Martínez – Criadora e Coordenadora do Primeiro Curso de Pós-Graduação na Área de Bibliotecas Escolares da Espanha – Universidade Autônoma de Barcelona (UAB) /Mediação: Elizabeth Serra – Secretária-Geral da FNLIJ

16h30 – Encerramento
17h – Sessão de Autógrafos no Hall


Dia 14 de junho de 2016
Avaliação do Concurso Escola de Leitores – Instituto C&A

9h – Abertura
Simone Monteiro de Araujo – Gerente de Mídia-Educação e Coordenadora do Programa Rio, uma cidade de Leitores/ Isis Valéria Gomes – Presidente do Conselho Diretor da FNLIJ/  Patrícia Lacerda – Gerente da Área Educação, Arte e Cultura – Instituto C&A

9h30 – Programa Escola de Leitores – Instituto C&A
Patrícia Lacerda/ Cintia Filpo – Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e de Ação Comunitária (IDECA)

10h – A Escola de Leitores na Cidade do Rio
Simone Monteiro de Araujo – Gerente de Mídia-Educação e Coordenadora do Programa Rio, uma cidade de Leitores/ Elizabeth Serra – Secretária-Geral da FNLIJ

10h45 – O 3º Concurso Escola de Leitores no Rio
Ana Paula Cardoso Soares – Representante de Escola Vencedora (E.M. Conde de Agrolongo)/ Solange Simões Alves – Representante de Escola Vencedora (E.M. Conde de Agrolongo) / Mediação: Marisa Borba – Conselho Diretor da FNLIJ

11h30 – O Intercâmbio com a Colômbia
Silvia Castrillón – Bibliotecária e Especialista em Leitura e Literatura Infantil e Juvenil; Mediação: Elizabeth Serra – Secretária-Geral da FNLIJ

12h30 – Almoço
            Políticas Públicas do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas

14h – Conversas sobre Políticas Públicas do Livro e Leitura: Olhares Daqui e de Lá
Secretaria Municipal de Educação RJ – Simone Monteiro de Araujo – Gerente de Mídia-Educação e Coordenadora do Programa Rio, uma cidade de Leitores/ Secretaria Municipal de Cultura RJ – Gisele Lopes – Gerente do Livro e Leitura/ Secretaria Estadual de Cultura RJ – Vera Schroeder – Superintendente do Livro e Leitura/ Silvia Castrillón – Bibliotecária e Especialista em Leitura e LIJ

15h30 – Políticas Públicas de Leitura e Biblioteca à Luz do Inaf (Indicador de Alfabetismo Funcional) 2015   – Organizado pelo GIFE (Grupo de Institutos, Fundações e Empresas)
– O GIFE e as Redes Temáticas  Ana Carolina – Gerente de Relacionamento e Articulação do GIFE
– Rede Leitura e Escrita de Qualidade para Todos e Mediação – Christine Fontelles – Consultora de Educação do Instituto Ecofuturo e Integrante da Coordenação da Rede
– Apresentação dos Dados do Inaf – Roberto Catelli – Ação Educativa
– Letramento na Educação Infantil, Formação do Leitor e Biblioteca – Nilma Lacerda –Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense
– Letramento de Jovens e Adultos, Formação Leitora e Biblioteca – Roberto Catelli – Ação Educativa


Dia 15 de junho de 2016

 Prêmios da FNLIJ – Roteiro para Formação de Leitores

9h – Abertura
Isis Valéria Gomes  – Presidente do Conselho Diretor da FNLIJ

9h30 – Prêmios da FNLIJ como Roteiro para Cursos
Elizabeth Serra – Secretária-Geral da FNLIJ

11h – Um Encontro com Lygia Bojunga
 Mediação: Ninfa Parreiras – Autora, Tradutora e Especialista em LIJ

12h – Lygia Bojunga Autografa seus Livros

13º Encontro de Escritores e Artistas Indígenas
Literatura Indígena como Utopia
As histórias sustentam a fé e dão cor para alma do povo. Estas vozes ancestrais ganham voz e força por intermédio dos contadores, que retransmitem o sentido e função da existência do mundo e dos seres que habitam a terra e o universo. É neste caminho que os autores indígenas recontam estas histórias por meio da literatura infantil e juvenil.
14h – Abertura
Daniel Munduruku – Instituto UK’a
Elizabeth Serra – Secretária-Geral da FNLIJ

14h30 – Há Espaço para a Utopia na Literatura Indígena para Crianças e Jovens Contemporâneos?
Cristino Wapichana – Palavra de Escritor, Artista e Produtor Eliane Potiguara / Palavra da Militante e Escritora / Vera Kauss – Palavra da Acadêmica e Leitora / Ninfa Parreiras – Palavra da Especialista e Pesquisadora / Mediação: Daniel Munduruku

15h45 – Entrega do Prêmio Concursos Curumim e Tamoios

16h – Conversa com o Público

16h30 – Encerramento e Lançamento Coletivo 

quinta-feira, 26 de maio de 2016

"A palavra é um brinquedo multicor, diverso e plural: uma roda de vivências"

Fonte: SESC


PROGRAMAÇÃO

BELO JARDIM

26/05 | Quinta-feira
8h às 11h – Oficina de ilustração com Myrna Maracajá (Timbaúba)
Local | Sesc Ler Belo Jardim – Rua Pedro Leite Cavalcante, COHABII
9h – Aula Espetáculo – Ariano Suassuna para crianças com Bruno Gaudêncio (Campina Grande/PB)
Local | Sesc Ler Belo Jardim – Rua Pedro Leite Cavalcante, COHABII.
14h às 17h – Oficina de ilustração com Anabella López (Buenos Aires/Argentina)
Local | Sesc Ler Belo Jardim – Rua Pedro Leite Cavalcante, COHABII.
27/05 | Sexta-feira
9h – Aula Espetáculo – Ariano Suassuna para crianças com Bruno Gaudêncio (Campina Grande/PB)
Local | Comunidade Remanescentes do Quilombo Barro Branco
9h – Brincadeiras Tagarelas com a Rádio Matraquinha (Recife). Participação especial de Lenice Gomes (Jupi)
Local | Sesc Ler Belo Jardim, Rua Pedro Leite Cavalcante, COHAB II.
9h às 12h – Oficina de ilustração com Myrna Maracajá (Timbaúba)
Local | Sesc Ler Belo Jardim, Rua Pedro Leite Cavalcante, COHAB II.
10h – O universo infantil na poesia matuta com Chico Pedrosa (Guarabira/PB)
Local | Comunidade Remanescentes do Quilombo Barro Branco
10h – Apresentação do espetáculo Duvideodó… com o Coletivo Cria do Palco (Recife)
Local | Praça Nossa Senhora da Conceição, Centro
14h às 17h – Oficina de ilustração com Anabella López (Buenos Aires/Argentina)
Local | Sesc Ler Belo Jardim – Rua Pedro Leite Cavalcante, COHAB II
14h – Cartas a um jovem poeta – Uma conversa com André Monteiro (Recife), David Biriguy (Belo Jardim), Francisco Pedrosa (Petrolina) e Gleison Nascimento (Recife). Mediação de Mariane Bigio (Recife)
Local | Cine Teatro Cultural – Praça Jorge Aleixo, Centro
14h às 16h – Oficina Africanidades na literatura infanto-juvenil com Inaldete Pinheiro (Parnamirim/RN)
16h – Récita com e Fernando Chile (Recife)
Local | Comunidade Remanescentes do Quilombo Barro Branco
19h30 – Apresentação do Guropo Ellos de Dança do Sesc Ler Belo Jardim, com a Intervenção Fragmentos
Local | Praça Jorge Aleixo, Centro
20h – Poesia para crianças – Uma conversa com Leo Cunha (Bocaiúva/MG) e Rouxinol do Rinaré (Quixadá/CE). Mediação de Mariane Bigio (Recife)
21h – Apresentação do Grupo Pernambucanto Acappella (Recife e Camaragibe)
Local | Cine Teatro Cultural – Praça Jorge Aleixo, Centro
28/05 | Sábado
15h – A palavra é um brinquedo multicor, diverso e plural – Uma roda de vivências com André Monteiro (Recife), Fabiana Vencezlau (Salgueiro), Francisco Pedrosa (Petrolina), Lenice Gomes (Jupi), Maria do Socorro (Belo Jardim) e Valdenice Alencar (Pesqueira). Mediação de Graça Graúna (São José do Campestre /RN) e Hilda Torres (Recife)
16h – “Lenice ao pé do ouvido” com a Cia Faz de Conta (Garanhuns)Local | Cine Teatro Cultural – Praça Jorge Aleixo, Centro
20h – Encerramento da Jornada com José Manoel Sobrinho – Gerente de Cultura do Sesc Pernambuco e Lenice Gomes – homenageada da Jornada
20h15 – “Lenice ao pé do ouvido” com a Cia Faz de Conta (Garanhuns)
20h30 – Roda de Mestres de Coco
Atrações | Cocos Raízes de Arcoverde, Irmãs Lopes e Santa Luzia (Garanhuns)
Local | Solar dos Flamboyants, Barragem Nova

terça-feira, 1 de março de 2016

Literatura indígena: da oralidade ao papel

Da oralidade ao papel

Fonte: CORREIOBRAZILIENSE 3,
Brasília, segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016


                                                                                       Osvaldo Reis/Esp. CB/D.A Press

  Daniel Munduruku: “Comecei a mudar um pouquinho o jeito de dar aula,
porque inseri os mitos indígenas”

“O índio sabe escrever de várias maneiras, se a gente está fazendo um colar ou uma esteira, por exemplo, estamos escrevendo e registrando nossa cultura”. Nas palavras de Graça Graúna, professora e primeira índia com doutorado na área de literatura, a arte indígena tem várias faces, que vão da tradição oral aos livros com o retrato da cultura dos povos. Como ressalta Graúna, as histórias das chamadas sociedades tradicionais, não são voltadas para determinada faixa etária, mas a representação de mitos, lendas, aventuras e costumes encantam crianças e adultos ao dar voz a contos passados por gerações. “Partindo de histórias contadas pelos mais velhos, os mais jovens aprendem muito, sem rótulos, apenas com a percepção dentro da cultura indí- gena”, acrescenta a escritora. Assim como a professora, outros escritores, como Yaguarê Yamã e Daniel Munduruku, transformam o grafismo das etnias a que pertencem em livros que fortalecem a literatura brasileira e mostram a força do imaginário tradicional.“A história oral émuito bonita e tem que ser mantida, mas quando a gente passa a escrever essa história, além de passar toda a tradição mostramos o que existe na nossa cultura”, afirmaYaguarê, que completa dizendo que escrever tanto contos tradicionais, quanto os inspirados em personagens reais, ajuda manter vivos os ensinamentos e os encantos dos povos:“Acho que tem muita história perdida, porque osmais velhos estãomorrendo e não estão conseguindo passar esses contos com a agilidade que estamos vivendo”. Já para o professor Daniel Munduruku, por mais que a divulgação da cultura seja importante, a publicação de livros ainda é difícil. “Quando pensamos em publicar um livro, precisamos pensar no mercado consumidor da sociedade que é seletivo e cria barreiras para publicar livros de literatura indígena”, afirma. Segundo Munduruku, as editoras se interessam em publicar quando há a possibilidade de o governo colocar nos editais, mas como esses também são restritos, a literatura continua prejudicada.

Partindo de histórias contadas pelos mais velhos,
os mais jovens aprendem muito” (Graça Graúna, escritora)


                                                                                                                                     Íris Cruz/Esp. CB/D.A Press



“O índio sabe escrever de várias maneiras, se a gente está fazendo um colar ou uma esteira, porexemplo, estamos escrevendo e registrando nossa cultura” (Graça Graúna)



Escritores indígenas encantam
crianças e adultos com
histórias tradicionais


Histórias encantadas

Yaguarê conta que, na comunidade em que vive, faz parte da cultura diária sentar em um local chamado Mirichawaruca, que significa casa de contar histórias em Maraguá, e reunir crianças e adultos à luz do por-do-sol para ouvir contos. “Desde pequeno gostava de criar histórias e imaginar. Na minha etnia somos conhecidos por ser contadores de histórias de fantasmas”, acrescenta. Foi de hábitos como esse que o escritor decidiu transformar as riquezas orais em páginas de livros e, assim, conquistar diferentes idades com narrativas e ilustrações que simbolizam as aventuras da tribo. Um curumim, uma canoa, Pequenas guerreiras e Formigueiro de Myrakãwéra são exemplos de obras publicadas por Yamã. “Os mais velhos, curandeiros e chefes das aldeias contam histórias para os pequenos se prepararem e aprenderem a lidar com os espíritos da floresta, o futuro e os perigos da vida”, comenta o professor. A inspiração para escrever vem do amor às raízes. “Hoje sou uma pessoa realizada que, além de propagar a contação de história do meu povo, recrio e crio histórias. A história é minha, mas todos os personagens e monstros que habitam minha aventura são do povo”, completa.

A luta

Autora de Canto Mestiço, Flor da mata e Criaturas de Ñanderu, Graça Graúna, conta que a sociedade ainda é preconceituosa e dominante. Por isso não aceita as diversas formas de escrita indígena. “Tiramos o preconceito, mas sempre vão olhar a gente como se fosse um animal exótico, como se a gente não tivesse o que dizer”, critica a escritora. Segundo Graúna, a literatura dos povos tradicionais reporta à maneira de viver, não se refere ao eu individualista, mas ao eu coletivo, ao povo. “Escrevo mostrando que a palavra indígena sempre existiu. A literatura está no jarro, no rosto, no corpo; ao dançar a gente escreve história por meio do ritmo, por exemplo”, ressalta a professora. O professor e escritor Daniel Munduruku explica que algumas pessoas acreditam que colocar histórias indígenas no papel é fazer uma violência com a oralidade, mas, para ele, o trabalho dos escritores é preservar uma memória que o hoje tem o suporte do livro para se manter. “Acho que o registro é fundamental para criar uma memória afetiva e ancestral”, acrescenta. Diretor-Presidente do Instituto Uk´a—Casa dos Saberes Ancestrais, Daniel Munduruku conta que a literatura despertou nele interesse filosofia e virou educador. “Na época que era professor, comecei a mudar um pouquinho o jeito de dar aula, porque inseri os mitos indígenas e mostrar que a nossa cultura segue o mesmo processo que o mundo inteiro”, explica Munduruku. Segundo ele, a escrita veio como uma resposta às perguntas que os alunos faziam sobre a vida nas tribos. “Um dia uma menina me perguntou onde encontrava as histórias que contava para ler e isso me alertou para a ideia de escrever aqueles contos”, comenta. Kabá Darebú, Coisas de índio e O segredo da vida são alguns nomes de obras do professor.


quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Planeta Terra: nossa casa comum (CF- CNBB, 2016)



Campanha da Fraternidade 2016 aposta no ecumenismo para o cuidado da ‘Casa Comum’

Cristina Fontenele (Repórter - Adital)

Lançada oficialmente nesta Quarta-Feira de Cinzas, 10 de fevereiro, no auditório Dom Helder Câmara, na sede da CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil], em Brasília, a IV Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) 2016 traz como tema a "Casa Comum, nossa responsabilidade”. A Campanha está em sintonia com os discursos do Papa Francisco sobre a responsabilidade conjunta pela Casa Comum e utiliza o ecumenismo para unir forças em prol do direito ao saneamento básico e de políticas públicas que garantam o futuro do Planeta.
conicRealizada pela CNBB e pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), a cada cinco anos, a Campanha ocorre de forma ecumênica, agregando diferentes expressões religiosas. A primeira CFE foi organizada no ano 2000 e teve como tema "Dignidade humana e paz”. Em 2005, a segunda edição tratou de "Solidariedade e paz”; e, em 2010, o tema versou sobre "Economia e vida”.
Durante a entrevista coletiva para o lançamento da Campanha, Dom Flavio Irala, presidente do Conic, destacou que a iniciativa pretende mobilizar igrejas, sociedade e governo em torno da urgência do saneamento básico como um direito humano fundamental. Segundo ele, a Campanha, que vem sendo elaborada há pelo menos dois anos, enfrentou alguns desafios, como, por exemplo, uma atual conjuntura religiosa que nem sempre está aberta às questões ecumênicas. "No entanto, o Espírito Santo sopra quando e onde quer e ele soprou para que essa Campanha acontecesse”.
Em carta, lida na coletiva de imprensa, o Papa Francisco expressou sua adesão à Campanha. "Eu me uno a todos os cristãos do Brasil e aos que, na Alemanha, se envolvem nessa Campanha da Fraternidade Ecumênica, pedindo a Deus – ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho com vossa luz infinita”.
O Sumo Pontífice destacou ainda a importância do acesso à água potável como questão de sobrevivência. "Na encíclica Laudato Si’, recordei que o acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para exercício dos outros direitos humanos; e que a grave dívida social para com os pobres parcialmente é saudada quando se desenvolvem programas para prover de água limpa e saneamento as populações mais pobres”.
conicNúmeros
Dados divulgados pela Campanha mostram que:
·O Brasil é considerado campeão mundial em desperdício de água;
·As empresas de abastecimento de água apresentam índices de perda de água tratada de até 60% (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE);
·82% da população brasileira não têm acesso à água tratada (Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento Básico - 2013);
·Mais de 100 milhões de pessoas não têm acesso à coleta de esgoto;
·39% dos esgotos são tratados;
·Diariamente, são despejados na natureza o equivalente a 5 mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento;
·10,6% dos domicílios não são contemplados pelo serviço público de coleta de resíduos sólidos (PNAD/2013);
·O Brasil está entre os 20 países do mundo nos quais as pessoas têm menos acesso aos banheiros;
·Entre as principais consequências por falta de saneamento e água potável estão doenças como cólera, hepatite, febre tifóide, infecções intestinais. No mundo, uma criança morre a cada 2,5 minutos por não ter acesso à água potável.
·Em 2013, ocorreram 340 mil internações por infecções gastrointestinais (DATASUS);
·O Brasil gera aproximadamente 150 mil toneladas diárias de resíduos sólidos;
·Cada pessoa gera, em média, 1 quilo de resíduos sólidos diariamente;
·São Paulo gera entre 12 mil a 14 mil toneladas diárias de resíduos sólidos.
Assista do vídeo do Conic apresentando a IV Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016.

Leia também
Campanha da Fraternidade Ecumênica oferece materiais para crianças, jovens e adultos

Cristina Fontenele

Repórter.
E-mail
cristina@adital.com.br
crisfonte@hotmail.com